Site Autárquico Loulé

Autores em destaque 2018

  • Autor em destaque mês de dezembro 2018

    Enid Blyton

    “Uma das autoras de literatura infantil e juvenis mais célebres mundialmente, Enid Blyton estudou para ser professora primária, em Ipswish High School. Mais tarde, apercebeu-se que ser professora não era a sua vocação, por isso começou a escrever. Mas como no início teve dificuldades em encontrar uma editora, não deixou de ser professora. O seu primeiro poema Have You? foi publicado em 1917 na Nash’s Magazine. O seu primeiro livro Child Whispers, uma coleção de versos, surgiu em 1922. Seguiu-se Real Fairies: Poems (1923), Responsive Singing Games (1923), The Enid Blyton Book of Fairies (1924), Songs of Gladness (1924) e The Zoo Book (1924). Em 1924 casou-se com o editor do departamento de livros da George Newnes, Hugh Pallack. Em 1931 teve a sua primeira filha, Gillion e, 4 anos depois, Imagen. Em 1938, surgiu a primeira grande aventura juvenil The Secret Island, seguiu-se Os Cinco, Os Sete, as séries Mistério e o livro Barney’ Mystery. Durante a Segunda Guerra Mundial, Blyton conseguiu que os seus livros fossem impressos, apesar da censura existente. Em 1940, foram impressos onze livros com o seu nome, incluindo The Secret of Spiggy Holes, Twenty-Minute Tales, Tales of Betsy May e The Children of Cherry Tree Farm. Com o pseudónimo de Mary Pollock, escreveu Three Boys and a Circus e Children of Kidillin. Enid Blyton e o seu marido divorciaram-se em 1942. Passado alguns meses escreveu Os Cinco na Ilha do Tesouro. No ano seguinte, casou novamente, mas agora com Kenneth Waters, e a partir daí começou a escrever mais. Em 1949, Blyton publicou Little Noddy Goes to Toyland, uma história de um pequeno brinquedo que acaba sempre por se envolver em confusões. As vendas excederam as expectativas e outros livros de Noddy com diferentes tamanhos e tipos sucederam-se rapidamente. Entre 1950 e 1960, Blyton foi atacada pela crítica e várias sanções foram impostas aos seus livros devido ao vocabulário limitado, tendo sido lançados, inclusive, rumores de que Blyton não era autora de todos os seus livros. No início dos anos 60, a falta de concentração de Blyton foi acrescida pela doença. Blyton morreu a 28 de Novembro de 1968 em Hampsted. Era capaz de acabar uma aventura dos Cinco com 50 000 palavras numa semana. Foi criticada pelos pedagogos devido aos estereótipos social, racial e sexual. Publicou mais de 600 livros infantis e juvenis. As suas obras foram traduzidas em cerca de 70 línguas e até 1980 foram vendidos mais de 60 milhões volumes. No final de 1990, mais de 300 títulos de Blyton eram ainda impressos, incluindo edições como os Cinco.”

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:


    Aventura na ilha – Cota 85J BLY

    Aventura no rio – Cota 85J BLY

    Aventura na montanha – 85J BLY

    Aventura no mar – 85J BLY  

    Aventura no barco – 85J BLY

    Aventura o rio misterioso – 85J BLY

    Aventura no campo – Cota 85J BLY

    Aventura do colar de esmeraldas – Cota 85J BLY

    Seis primos numa quinta – Cota 85J BLY

    O assobio especial de Noddy – Cota 8EST BLY

    A nova vaquinha do senhor Soja – Cota 8I BLY

    O Pimpinela ajuda os amigos – Cota 8EST BLY

    O mistério do balão fugitivo Noddy – Cota 8EST BLY

    Os Sete: o Clube dos Sete – Cota 85J BLY

    Os Sete: a primeira aventura – Cota 85J BLY

    Os Sete e os seus rivais – Cota 85J BLY  

    Bravo, valentes sete – Cota 85J BLY

    Nova aventura de os Cinco – Cota 85J BLY

    Os Sete e a marca vermelha – Cota 85J BLY

    Os Sete e os cães roubados – Cota 85J BLY

    Os Sete levam a melhor – Cota 85J BLY

    Três vivas aos Sete – Cota 85J BLY

    O mistério dos sete – Cota 85J BLY

    Os Sete e o violino roubado – Cota 85J BLY

    Os Sete e o fogo de vista – Cota 85J BLY  

    O mistério das bicicletas roubadas – Cota 8EST BLY

    O mistério dos amigos desaparecidos – Cota 8EST BLY

     

     

    In https://www.wook.pt/autor/enid-blyton/14645

  • Autor em destaque mês de novembro 2018

    Maria Gabriela Llansol

    “Escritora portuguesa de ascendência espanhola, nascida no ano de 1931 em Lisboa. Licenciou-se em Direito e em Ciências Pedagógicas, tendo trabalhado em áreas relacionadas com problemas educacionais. Em 1965, abandonou Portugal para se fixar na Bélgica. Regressou há alguns anos a Portugal. Considerada uma autora cuja escrita é hermética e de difícil inteligibilidade para o leitor comum, é, no entanto, apontada por muitos como um dos nomes mais inovadores e importantes da ficção portuguesa contemporânea. A sua carreira literária iniciou-se com Os Pregos na Erva (1962), obra que inaugurou uma nova forma de escrever, embora estruturalmente se assemelhe a um livro de contos. Publicou de seguida Depois de os Pregos na Erva (1972), O Livro das Comunidades (1977), A Restante Vida (1983), Na Casa de Julho e Agosto (1984), Causa Amante (1984), Contos do Mal Errante (1986), Da Sebe ao Ser (1988), Um Beijo Dado Mais Tarde (1990), com evidentes ressonâncias autobiográficas, Lisboaleipzig 1: O Encontro Inesperado do Diverso (1994), Lisboaleipzig 2: O Ensaio de Música (1995), Ardente Texto Joshua (1998) e Onde Vais Drama Poesia? (2000). 
    No caso de Maria Gabriela Llansol dificilmente se podem aplicar designações tradicionais como conto, romance ou mesmo diário. Apesar de se detetarem elementos tradicionais da narrativa, as suas obras, mais do que narrativas, são conjuntos de pequenos quadros e meditações. A ação localiza-se geralmente na Alemanha ou em regiões próximas, nos primórdios do Renascimento, num ambiente fantástico em que à volta de Copérnico, Isabol ou Hadewijch se movimentam personagens inspirados em pensadores místicos como San Juan de la Cruz e Eckhart e filósofos como Nietzsche e Espinosa. 
    Os diários Um Falcão em Punho (1985), considerado o ponto de viragem no que toca à cada vez maior inteligibilidade da sua escrita, e Finita (1987), distinguem-se das obras ficcionais pela sua aparente ordenação cronológica e pelas reflexões sobre a conceção materialista em que se baseia a mística e a poética da autora. 
    Um dos traços mais marcantes de toda a sua produção consiste na constante negação da escrita representativa, com inserção no texto de diferentes caracteres tipográficos, espaços em branco, traços que dividem o texto, perguntas de retórica, aspetos que contribuem para a sensação de estranheza que os seus textos provocam. 
    Levando às últimas consequências a criação de um universo pessoal que desde os anos 60 não tem paralelo na literatura portuguesa, a obra de Maria Gabriela Llansol faz estilhaçar as fronteiras entre o que designamos por ficção, diário, poesia, ensaio, memórias, etc.”

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:


    Depois de os pregos na erva: E que não escrevia: Um texto decadente: O estorvo – Cota 83 LLA

    Inquérito às quatro confidências – Cota 83 LLA

    Causa amante: trilogia - O litoral do mundo – Cota 83 LLA

    Um falcão no punho – Cota 83 LLA

    Um beijo dado mais tarde – Cota 83 LLA

    Contos do mal errante – Cota 83 LLA

    Parasceve: puzzles e ironias – Cota 83 LLA

    Onde vais, drama-poesia? – Cota 83 LLA

    O senhor de Herbais: breves ensaios literários sobre a reprodução estética do mundo, e suas tentações – Cota 83 LLA

     

     

     

     

    In https://www.wook.pt/autor/maria-gabriela-llansol/12130

  • Autor em destaque mês de outubro 2018

    “Germano Almeida nasceu na ilha da Boavista em 1945. Licenciou-se em Direito na Universidade Clássica de Lisboa. Vive em São Vicente onde, desde 1979, exerce a profissão de advogado. Publica as primeiras estórias na revista Ponto & Vírgula, assinadas com o pseudónimo de Romualdo Cruz. Estas estórias foram publicadas em 1994 com o título A Ilha Fantástica, que, juntamente com A Família Trago, 1998, recriam os anos de infância e o ambiente social e familiar na ilha da Boavista. Mas o primeiro romance do autor foi O Testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo, em 1989, que marca a rutura com os tradicionais temas cabo-verdianos.
    O Meu Poeta, de 1990, Estórias de Dentro de Casa, de 1996, A Morte do Meu Poeta, de 1998, As Memórias de Um Espírito, de 2001 e O Mar na Lajinha, de 2004, formam o que se pode considerar o ciclo mindelense da obra do autor. 
    Mais recentes são os livros A Morte do Ouvidor, de 2010, e Do Monte Cara Vê-se o Mundo, de 2014, Regresso ao Paraíso, 2015 e O Fiel Defunto, 2018, também editados na Caminho.

    Tem obras publicadas no Brasil, França, Espanha, Itália, Alemanha, Suécia, Holanda, Noruega e Dinamarca, Cuba, Estados Unidos, Bulgária, Suíça.
    Em 2018 vence o Prémio Camões.”

     

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:


    A família Trago: romance – Cota 83A ALM

    Estórias contadas: crónicas – Cota 83A ALM

    O testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo: romance – Cota 83A ALM

    O meu poeta: romance – Cota 83A ALM

    A ilha fantástica – Cota 83A ALM

    O dia das calças roladas – Cota 83A ALM

    Os dois irmãos: romance – Cota 83A ALM

    Estórias de dentro de casa: novelas – Cota 83A ALM

    Dona Pura e os Camaradas de abril – Cota 83A ALM

    O mar na lajinha: romance – Cota 83A ALM  

    Eva: romance – Cota 83A ALM  

    A morte do ouvidor: romance – Cota 83A ALM

    O fiel defunto: romance – Cota 83A ALM

     

     

     

    In https://www.wook.pt/autor/germano-almeida/4187

  • Autor em destaque mês de setembro 2018

    Fernando Namora foi romancista, ensaísta, poeta e também pintor (1919-1989). Na Universidade de Coimbra, licenciou-se em Medicina, que exerceu na sua terra natal e nas regiões da Beira Baixa e Alentejo.

    O seu volume de estreia foi Relevos (1938), livro de poesia onde se notam as influências do grupo da Presença.

    A sua obra evoluiu no sentido do amadurecimento estético do Neo-Realismo, o que o levou a um caminho mais pessoal. Não desdenhando a análise social, os seus textos foram cada vez mais marcados por aspetos de picaresco, observações naturalistas e algum existencialismo.

    Entre os títulos que publicou encontram-se os volumes de prosa Fogo na Noite Escura (1943), Casa da Malta (1945), As Minas de S. Francisco (1946), Retalhos da Vida de um Médico (1949 e 1963), A Noite e a Madrugada (1950), O Trigo e o Joio (1954), O Homem Disfarçado (1957), Cidade Solitária (1959), Domingo à Tarde (1961, Prémio José Lins do Rego), Os Clandestinos (1972) e Rio Triste (1982).

    Além dos já mencionados, publicou em poesia Mar de Sargaços (1940) e Marketing (1969). A sua produção poética conheceu uma antologia datada de 1959, intitulada As Frias Madrugadas.

    Escreveu ainda volumes de memórias, anotações de viagem e crítica, como Diálogo em Setembro (1966), Um Sino na Montanha (1970), Os Adoradores do Sol (1972), Estamos no Vento (1974), A Nave de Pedra (1975), Cavalgada Cinzenta (1977) e Sentados na Relva (1986).

    O romance Domingo à Tarde foi adaptado ao cinema em 1966 por António de Macedo. O livro Retalhos da Vida de um Médico foi também adaptado ao cinema por Jorge Brum do Canto (1962), além de ter sido produzida uma série televisiva por Artur Ramos e Jaime Silva (1979- 1980).

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:

    A nave de pedra: cadernos de um escritor – Cota 83 NAM

    A noite e a madrugada: romance - Cota 83 NAM

    As frias madrugadas: poesia - 82P NAM

    As sete partidas do mundo: romance - Cota 83 NAM

    Casa da malta: novela - Cota 83 NAM

    Cavalgada cinzenta: narrativa - Cota 83 NAM

    Cidade solitária: narrativas - Cota 83 NAM

    Deuses e demónios da medicina: biografias romanceadas - Cota 83 NAM

    Diálogo em setembro: crónica romanceada - Cota 83 NAM

    Domingo à tarde: romance - Cota 83 NAM

    Encontros: entrevistas - Cota 83 NAM

    Encontros com Fernando Namora - Cota 83 ENC

    Estamos no vento: narrativa literário-sociológica - Cota 83 NAM

    Fogo na noite escura: romance - Cota 83 NAM

    Jornal sem data: cadernos de um escritor - Cota 83 NAM

    Marketing: (1959-1969) - Cota 82P NAM

    Nome para uma casa: poesia - Cota 82P NAM

    O homem disfarçado: romance - Cota 83 NAM

    O rio triste: romance - Cota 83 NAM

    O trigo e o joio: romance - Cota 83 NAM

    Os adoradores do sol: cadernos de um escritor - Cota 83 NAM

    Os clandestinos: romance - Cota 83 NAM

    Resposta a Matilde: divertimento - 83 NAM

    Retalhos da vida de um médico: narrativas - Cota 83 NAM

    Um sino na montanha: cadernos de um escritor - Cota 83 NAM

    URSS mal amada bem amada: narrativa - Cota 83 NAM

     

     

    https://www.wook.pt/autor/fernando-namora/15606 e https://www.uc.pt/antigos-estudantes/perfil/perfil_memoriais/fernando_namora

     

  • Autor em destaque mês de agosto 2018

    Clarice Lispector nasceu a 10 de dezembro de 1920 na Ucrânia. O seu nome de batismo é Chaya Lispector.

    Descendentes de judeus, os seus pais, Pinkhas Lispector e Mania Krimgold Lispector, levaram a fase inicial da vida de Clarice fugindo à perseguição feita aos judeus, no decorrer da Guerra Civil Russa.

    Chegaram ao Brasil em 1921 e viveram nas cidades de Maceió, Recife e Rio de Janeiro, onde passaram por dificuldades financeiras.

    Clarice, nome adotado no Brasil, demonstrou um precoce interesse pelas palavras. Atribui-a nomes aos azulejos, às canetas e aos lápis e inventava jogos de frases para a mãe, que se encontrava paralisada pela doença.

    Enquanto viveu no Recife, Clarice ajudava a família dando explicações de Português e Matemática, roubava rosas e rodeava-se de gatos.

    Desde o início, o seu estilo de escrita foi marcado por uma linguagem intimista e uma sintaxe excêntrica. Nos contos que enviava para o Diário de Pernambuco nunca iniciava as histórias por «Era uma vez...».

    Depois de ter frequentado uma escola de bairro, Clarice foi admitida na Faculdade de Direito. Era, então, uma rapariga de cabelos claros, com uma pronúncia estranha e uma insólita beleza.
    O pai, Pedro Lispector, faleceu em 1940, após uma operação à vesícula. Pouco depois, Clarice iniciou a sua atividade como jornalista na Agência Nacional, onde conheceu o escritor Lúcio Cardoso, por quem se apaixonou e a quem tentou em vão "salvar" da homossexualidade.

    Em 1943 casou-se com o Diplomata Maury Gurgel Valente, com quem teve dois filhos: Pedro e Paulo.

    Devido à profissão do seu marido, Clarice viveu em muitos países do mundo, desde Itália, Inglaterra, Suíça e Estados Unidos. O relacionamento terminou em 1959. Após a separação, Clarice regressou ao Rio de Janeiro com os seus filhos.

    A escritora foi naturalizada brasileira e declarava-se pernambucana.

    Faleceu no dia 09 de dezembro de 1977, véspera de seu 57º aniversário, na cidade do Rio de Janeiro, vítima de cancro no ovário.

    Clarice Lispector foi uma das mais destacadas escritoras da terceira fase do modernismo brasileiro, chamada de "Geração de 45". Recebeu diversos prémios, dos quais se destacam o Prémio da Fundação Cultural do Distrito Federal e o Prémio Graça Aranha.

    Principais obras:

    Perto do Coração Selvagem (1943), O Lustre (1946), A Cidade Sitiada (1949), Laços de Família (1960), A Maçã no Escuro (1961), A Legião Estrangeira (1964), A Paixão Segundo G.H. (1964), O Mistério do Coelho Pensante (1967), A Mulher que Matou os Peixes (1968), Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres (1969), Felicidade Clandestina (1971), Água Viva (1973), Onde Estivestes de Noite? (1974), A Vida Íntima de Laura (1974), A Via Crucis do Corpo (1974), A Hora da Estrela (1977), O Ovo e a Galinha (1977), Um Sopro de Vida (1978), Para Não Esquecer (1978), Quase de Verdade (1978), A Descoberta do Mundo (1984), Como Nasceram as Estrelas (1987), Correspondências (2002), Minhas Queridas (2007).

     

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:

    A descoberta do mundo: crónicas - Cota 83B LIS

    A hora da estrela - Cota 83B LIS

    A maçã no escuro - Cota 83B LIS

    A mulher que matou os peixes - Cota 8POR-B LIS

    A paixão segundo G. H. – Cota 83B LIS

    A vida íntima de Laura - Cota 8POR-B LIS

    Água viva - Cota 83B LIS

    Contos - Cota 83B LIS

    Laços de família: contos - Cota 83B LIS

    O lustre - Cota 83B LIS

    Onde estiveste de noite: contos - Cota 83B LIS

    Perto do coração selvagem - Cota 83B LIS

    Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres - Cota 83B LIS

     

     

     

    In: https://www.todamateria.com.br/vida-e-obra-de-clarice-lispector/ e https://www.wook.pt/autor/clarice-lispector/10398

     

  • Autor em destaque mês de julho 2018

    Gastão Cruz, poeta e ensaísta português, nasceu em 1941, na cidade de Faro, no Algarve, e licenciou-se pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em Filologia Germânica. 

    Começando por assumir uma escrita experimentalista, Gastão Cruz adotou depois formas clássicas como o soneto e a canção, que refletem bem, desde os anos 60, a influência de Camões que, aliás, o autor não desmente. As suas obras são caracterizadas pela contenção quantitativa, sendo assim reduzido o número de textos que compõem cada volume. Ao contrário, cada um destes textos são portadores de uma grande densidade de significação e formam entre si uma unidade que se estrutura como uma teia. 

    Autor de uma obra muito diversa, publicou, entre outros, os seguintes títulos: A Morte PercutivaA poesia Portuguesa Hoje, 1973; Campânula, 1978; Órgão de Luzes; Transe (1960-1990); As Pedras Negras, 1995; Poesia Reunida, 1999; e Crateras, 2000.

    Dos prémios recebidos destaca-se: o Prémio D. Diniz, em 2000, pelo livro Crateras, o Prémio do P.E.N. Clube Português de Poesia, em 1985, 2007 e 2014, respetivamente, pelas obras O Pianista, A Moeda do Tempo e Fogo, o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores, em 2002, pela obra Rua de Portugal, o Grande Prémio de Literatura DST, em 2005, por Repercussão, e o Prémio Literário Correntes d’Escritas/Casino da Póvoa, em 2009, por A Moeda do Tempo. Em 2013, a Fundação Inês de Castro homenageou o poeta atribuindo-lhe o Prémio Tributo de Consagração.

    Já no mês de julho, o poeta foi distinguido com a Medalha de Mérito Cultural pelo Ministério da Cultura "em reconhecimento do inestimável trabalho de uma vida dedicada à poesia".

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:

    A moeda do tempo – Cota 82P CRU

    A poesia portuguesa hoje   - Cota 82 CRU

    A vida da poesia: textos críticos reunidos: (1964-2008) - Cota 82 CRU

    As leis do caos - Cota 82P CRU

    As pedras negras - Cota 82P CRU

    Existência - Cota 82P CRU

    Fogo - Cota 82P CRU

    Órgão de luzes: poesia reunida - Cota 82P CRU

    Os nomes - 82P CRU

    Poemas de Gastão Cruz - Cota 82P CRU

    Poemas reunidos - Cota 82P CRU

    Poesia: 1961-1981 - Cota 82P CRU

    Repercussão - Cota 82P CRU

    Transe: antologia 1960-1990 - Cota 82P CRU 

     

     

    In https://www.wook.pt/autor/gastao-cruz/3624 e https://observador.pt/2018/07/19/gastao-cruz-distinguido-com-a-medalha-de-merito-cultural-por-uma-vida-dedicada-a-poesia/

  • Autor em destaque mês de junho 2018

    Luis Sepúlveda nasceu em Ovalle, no Chile, em 1949. É escritor e jornalista. Com o seu primeiro livro, Crónicas de Pedro Nadie (1969), ganhou o Prémio Casa das Américas e, também, uma bolsa de estudo de cinco anos, na Universidade Lomonosov de Moscovo. No entanto só aí ficou durante cinco meses. Foi expulso por “atentado à moral proletária”, acusado por manter contactos com alguns dissidentes soviéticos. De regresso ao Chile é expulso da Juventude Comunista, adere ao Partido Socialista Chileno e torna-se membro da guarda pessoal do presidente Salvador Allende. Membro ativo da Unidade Popular chilena nos anos 70, teve de abandonar o país após o golpe militar de Pinochet. Viajou e trabalhou no Brasil, Uruguai, Paraguai e Peru. Viveu no Equador entre os índios Shuar, participando numa missão de estudo da UNESCO. Nesta altura era amigo de Chico Mendes, herói da defesa da Amazónia, a quem dedicou o livro O velho que lia romances de amor (2006), o seu maior sucesso. Perspicaz narrador de viagens, e aventureiro nos confins do mundo, o autor concilia com sucesso o gosto pela descrição de lugares sugestivos, e paisagens irreais, com o desejo de contar histórias sobre o homem, através da sua experiência, dos seus sonhos, das suas esperanças. Ganhou vários prémios literários, destacando-se o Prémio Eduardo Lourenço, em 2016.

    Da sua obra destaca-se:

    Cronicas de Pedro Nadie (1969), O velho que lia romances de amor (1989), Nome de toureiro (1994), Patagónia Express (1995), Mundo do fim do mundo (1992), Encontro de amor num país em guerra (1997), Diário de um killer sentimental (1998), As rosas de Atacama (2000), O general e o juiz (2002), O poder dos sonhos (2004), Os piores contos dos Irmãos Grim em co-autoria com o escritor uruguaio Mario Delgado (2004), Uma história suja (2004), História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar (2008), A lâmpada de Aladino (2008), A sombra do que fomos (2009), Crónicas do Sul (2011), História de um gato e de um rato que se tornaram amigos (2012), História do caracol que descobriu a importância da lentidão (2013), Uma ideia de felicidade (2014), A venturosa história do Usbeque mudo (2015), História de um cão chamado Leal (2016) e O fim da história (2016).

     

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:

     

    A lâmpada de Aladino e outras histórias para vencer o esquecimento - Cota 85 SEP

    A sombra do que fomos - Cota 85 SEP

    As rosas de Atacama - Cota 85 SEP

    Diário de um killer sentimental - Cota 85 SEP

    Encontro de amor num país em guerra - Cota 85 SEP 

    História de um cão chamado Leal - Cota 85J SEP

    História de um caracol que descobriu a importância da lentidão - Cota 85J SEP  

    História de um gato e de um rato que se tornaram amigos - Cota 85J SEP

    História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - Cota 85 SEP

    Mundo do fim do mundo- Cota 85 SEP

    Nome de toureiro - Cota 85 SEP

    O fim da história - Cota 87 SEP

    O general e o juiz - Cota 32 SEP

    O poder dos sonhos - Cota 85 SEP

    O velho que lia romances de amor - Cota 85 SEP

    Os piores contos dos irmãos Grim - Cota 85 SEP

    Patagónia express : apontamentos de viagem - Cota 85 SEP

    Uma história suja - Cota 85 SEP

    Uma ideia de felicidade - Cota 15 SEP

     

     

    In https://www.portoeditora.pt/autor/luis-sepulveda e http://www.tirodeletra.com.br/biografia/LuisSepulveda.htm

     

  • Autor em destaque mês de maio de 2018

    Mário Cláudio, escritor português, de nome verdadeiro Rui Manuel Pinto Barbot Costa, nascido a 6 de novembro de 1941, no Porto. Formado em Direito pela Universidade de Coimbra, onde se diplomou também como bibliotecário-arquivista, e master of Arts em biblioteconomia e Ciências Documentais pelo University College de Londres, revelou-se como poeta com o volume Ciclo de Cypris (1969). Tradutor de autores como William Beckford, Odysseus Elytis, Nikos Gatsos e Virginia Woolf foi, porém, como ficcionista que mais se afirmou.Mário Cláudio, escritor português, de nome verdadeiro Rui Manuel Pinto Barbot Costa, nascido a 6 de novembro de 1941, no Porto. Formado em Direito pela Universidade de Coimbra, onde se diplomou também como bibliotecário-arquivista, e master of Arts em biblioteconomia e Ciências Documentais pelo University College de Londres, revelou-se como poeta com o volume Ciclo de Cypris (1969). Tradutor de autores como William Beckford, Odysseus Elytis, Nikos Gatsos e Virginia Woolf foi, porém, como ficcionista que mais se afirmou.Publicou com o nome próprio, uma vez que "Mário Cláudio" é pseudónimo, um Estudo do Analfabetismo em Portugal, obra que reúne a sua tese de mestrado e uma comunicação apresentada no 6.° Encontro de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Portugueses, em 1978. Colaborador em várias publicações periódicas, como Loreto 13, Colóquio Letras, Diário de Lisboa, Vértice, Jornal de Letras Artes e Ideias, O Jornal, entre outros, foi considerado pela crítica, desde a publicação de obras como Um Verão Assim, um autor para quem o verso e a prosa constituem modalidades intercambiáveis, detendo características comuns como a opacidade, a musicalidade e a rutura sintática, subvertendo a linearidade da leitura por uma escrita construída como "labirinto em espiral". Mário Cláudio recebeu, em 1985, o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, com a obra Amadeo (1984), o primeiro romance de um conjunto, posteriormente, intitulado Trilogia da Mão (1993). Em 2001 recebeu o prémio novela da mesma associação pelo livro A Cidade no Bolso e, em dezembro de 2004, foi distinguido com o Prémio Pessoa. Em maio de 2018 Mário Cláudio foi o vencedor do Grande Prémio de Literatura Associação Portuguesa de Escritores/Câmara Municipal de Loulé – Crónica e Dispersos Literários 2018. Para além das obras já mencionadas, são também da sua autoria Guilhermina (1986), A Quinta das Virtudes, (1991), Tocata para Dois Clarins (1992), O Pórtico da Glória (1997), Peregrinação de Barnabé das Índias (1998), Ursamaior (2000), Orion(2003), Amadeu (2003), Gémeos (2004) e Triunfo do Amor Português (2004). O autor tem também trabalhos publicados na área da poesia (Ciclo de Cypris, 1969, Terra Sigillata, de 1982, e Dois Equinócios, de 1996), dos ensaios (Para o Estudo do Alfabetismo e da Relutância à Leitura em Portugal, de 1979, entre outros), do teatro (por exemplo, O Estranho Caso do Trapezista Azul, de 1999) e da literatura juvenil (A Bruxa, o Poeta e o Anjo, de 1996).No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:A bruxa, o poeta e o anjo - Cota 83J CLA A cidade no bolso - Cota 90 CLA A fuga para o Egipto - Cota 83 CLA A Ilha de Oriente: mistério em três actos, com prólogo e epílogo - Cota 83 CLA A quinta das virtudes - Cota 83 CLA Amadeo - Cota 83 CLA As batalhas do Caia: romance - Cota 83 CLA As máscaras de Sábado - Cota 83 CLA Astronomia: romance - Cota 83 CLA Boa noite, senhor Soares: romance - Cota 83 CLA Camilo Broca: Romance - Cota 83 CLA Dois equinócios - Cota 82P CLA Dois poemas ; O anel de basalto – Cota 83 CLA Duas histórias do Porto - Cota 83 CLA Estâncias / Mário Cláudio - Cota 82P CLA Henriqueta Emília da Conceição: teatro: melodrama em três actos - Cota 83 CLA Improviso para duas estrelas de papel - Cota 83 CLA Itinerários: contos - Cota 83 CLA Medeia: monólogo em nove quadros com prólogo e epílogo: teatro - Cota 83 CLA Meu Porto - Cota 83 CLA Noites de anto: alegoria em sete quadros - Cota 83 CLA Noites de anto ; A ilha de Oriente: teatro - Cota 83 CLA O eixo da bússola - Cota 83 CLA O estranho caso do trapezista azul: tragicomédia em três actos com prólogo e epílogo - Cota 83 CLA O fotógrafo e a rapariga: novela - Cota 83 CLA O outro Génesis - Cota 83 CLA O pórtico da glória: com um retrato original de Fernando Lanhas - Cota 83 CLA Os naufrágios de Camões: romance - Cota 83 CLA Peregrinação de Barnabé das Índias: romance - Cota 83 CLA Retrato de rapaz: romance - Cota 83 CLA Rosa - Cota 83 CLA Terra sigillata - Cota 83 CLA Tocata para dois clarins - Cota 83 CLA Trilogia da mão - Cota 83 CLA Triunfo do amor português - Cota 83 CLA Um Verão assim - Cota 83 CLA Um verão assim; As máscaras de sábado - Cota 83 CLA Uma coroa de navios - Cota 83 CLA Ursamaior: romance - Cota 83 CLA
    https://www.wook.pt/autor/mario-claudio/14263 e http://www.cm-loule.pt/pt/noticias/14131/mario-claudio-vence-grande-premio-de-cronica-e-dispersos-literarios-apecm-loule.aspx

  • Autor em destaque mês de abril de 2018

    João Tordo nasceu em Lisboa em 1975. Formado em Filosofia, pela Universidade Nova de Lisboa, trabalhou como jornalista freelancer em vários jornais. Viveu em Londres e nos Estados Unidos. Em 2001 venceu o Prémio Jovens Criadores na categoria de Literatura e, mais tarde, o Prémio Literário José Saramago 2009 com As Três Vidas (2008), tendo sido finalista, com o mesmo romance, do Prémio Portugal Telecom, em 2011. Com o romance O Bom Inverno foi finalista do Prémio Melhor Livro de Ficção Narrativa da Sociedade Portuguesa de Autores (2011) e do Prémio Fernando Namora (2011); a tradução francesa integrou os finalistas da 6.ª edição do Prémio Literário Europeu. Da sua obra publicada constam ainda os romances O Livro dos Homens sem Luz (2004), Hotel Memória (2007), Anatomia dos Mártires (2011, Finalista do Prémio Literário Fernando Namora 2012), O Ano Sabático (2013), Biografia Involuntária dos Amantes (2014, Finalista do prémio Fernando Namora 2015 e do Prémio Melhor Livro de Ficção Narrativa da Sociedade Portuguesa de Autores 2015). Os seus livros estão publicados em vários países, incluindo França, Itália, Alemanha, Hungria ou Brasil. Em 2015 publicou dois romances O Luto de Elias Gro e O Paraíso Segundo Lars D., os dois primeiros volumes de uma trilogia, terminada em 2017 com O Deslumbre de Cecilia Fluss. Em 2018 publicou Ensina-me a Voar Sobre os Telhados, o seu 11º romance. Os seus livros estão publicados em França, Itália, Brasil, Sérvia e Croácia. Trabalha como cronista, tradutor, guionista e formador em workshops de ficção.

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:

    Anatomia dos mártires: romance - Cota 83 TOR

    As três vidas: romance - Cota 83 TOR

    Biografia involuntária dos amantes - Cota 83 TOR

    Hotel memória - Cota 83 TOR

    O ano sabático: romance - Cota 83 TOR

    O bom inverno: romance - Cota 83 TOR

    O livro dos homens sem luz – Cota 83 TOR

    O luto de Elias Gro - Cota 83 TOR

    Um livro em branco - Cota 83 TOR

     

     

    In https://www.wook.pt/autor/joao-tordo/30862 e http://joaotordo.com/biografia-137244

  • Autor em destaque mês de março 2018

    Julieta Monginho nasceu em Lisboa, em 1958. É Licenciada em Direito, escritora, magistrada do Ministério Público na jurisdição de família e crianças e formadora, colaborando com o Centro de Estudos Judiciários.

    Em 1996 publicou o primeiro romance, Juízo Perfeito. Seguiram-se A Paixão Segundo os Infiéis (1998), À Tua Espera (Prémio Máxima de Literatura, 2000), Dicionário dos Livros Sensíveis (2000), Onde Está J? (2002) e A Construção da Noite (2005).

    Foi Prémio Máxima de Literatura em 2000 com o romance À tua espera e, em 2009, recebeu o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores/Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas 2008 pelo romance A terceira mãe.

    No ano de 2012 publica Metade Maior (finalista dos Prémios Fernando Namora e Correntes d'Escritas) e, em 2015, Os Filhos de K. (finalista dos Prémios Fernando Namora e Pen Club).

    Colabora regularmente em revistas literárias e jurídicas, bem como no blogue “Arte dos Dias”.

    Obras publicadas em Portugal desta autora:

    Juízo perfeito (1996)

    A paixão segundo os infiéis (1998)

    À tua espera (2000)

    Dicionário dos livros sensíveis (2000)

    Onde está J.?  (2002)

    A árvore no meio da sala (2003)

    A construção da noite (2005)

    A terceira mãe (2008)

    António, Maria (2010)

    Metade maior (2012)

    Os Filhos de K. (2015)

    Um Muro no Meio do Caminho (2018)

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:

    A construção da noite - 83 MON

    A paixão segundo os infiéis - 83 MON

    À tua espera - 83 MON

    Dicionário dos livros sensíveis - 83 MON

    Juízo perfeito - 83 MON

    Metade Maior - 83 MON

     

    https://www.portoeditora.pt/autor/julieta-monginho e https://escritores.online/escritor/julieta-monginho/

  • Autor em destaque mês de fevereiro 2018

    Susanna Tamaro nasceu em Trieste, Itália, no ano de 1957. Formou-se em Realização no Centro Experimental de Cinematografia de Roma. Durante dez anos trabalhou para a televisão como realizadora de documentários científicos. Atualmente é uma das escritoras italianas mais conhecidas e aclamadas em todo o mundo, e o conjunto da sua obra, que inclui títulos bem conhecidos do público português - Vai Aonde Te Leva o CoraçãoCom a Cabeça nas NuvensPara Uma Voz SóEscuta a Minha Voz ou Regresso a Casa - vendeu vários milhões de exemplares à escala mundial.”

    Obras publicadas em Portugal desta autora:

    Com a cabeça nas nuvens; Para uma voz só; O cavaleiro Lua Cheia; Vai aonde te leva o coração; O menino que não gostava de ler; Um lugar mágico; A alma do mundo; Um respirar tranquilo; Querida Mathilda, não vejo a hora do homem caminhar; Tobias e o anjo; Regresso a casa; Responde-me; O fogo e o vento; Um país para lá do azul do céu; Cada palavra é uma semente; Escuta a minha voz; Luisito, uma história de amor; Para sempre; Salta Bart! ; O Tigre e o Acrobata.

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:

    A alma do mundo – Cota 85 TAM

    Cada palavra é uma semente - Cota 85 TAM

    Com a cabeça nas nuvens - Cota 85 TAM

    Conversa com Susanna Tamaro: um respirar tranquilo - Cota 85 TAM

    Escuta a minha voz - Cota 85 TAM

    O cavaleiro lua cheia - Cota 85J TAM

    O coração também pensa - Cota 85 TAM

    O fogo e o vento - Cota 85 TAM

    O menino que não gostava de ler - Cota 8EST TAM

    O tigre e o acrobata - Cota 85J TAM

    Para sempre - Cota 85 TAM

    Para uma voz só - Cota 85 TAM

    Querida Mathilda: não vejo a hora de o homem caminhar - Cota 85 TAM

    Regresso a casa - Cota 85 TAM

    Responde-me - Cota 85 TAM

    Salta, Bart! - Cota 85J TAM

    Tobias e o anjo - Cota 85J TAM

    Um companheiro inesquecível: uma história de amor - Cota 85 TAM

    Um lugar mágico ou como salvar a Natureza - Cota 85J TAM

    Um país para lá do azul do céu - Cota 85 TAM

    Vai aonde te leva o coração - Cota 85 TAM

     

     

    In https://www.wook.pt/autor/susanna-tamaro/24380

  • Autor em destaque mês de janeiro 2018

    António Lobo Antunes, escritor português nasceu em 1942, em Lisboa. Ficcionista e autor de alguns ensaios literários que equacionam a análise psicológica com a criação artística. Formado em Medicina Psiquiátrica, exerceu atividade clínica durante a guerra colonial em Angola, e, posteriormente, em Lisboa, no Hospital Miguel Bombarda. Depois da publicação de Os Cus de Judas (1979), tornou-se um dos mais traduzidos e internacionalmente reconhecidos romancistas portugueses contemporâneos, tendo sido o convidado de honra do "Carrefour des Littératures" realizado em Maio de 2002.

    António Lobo Antunes já foi galardoado com os seguintes prémios: Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, (1985) por Auto dos Danados; Prémio Melhor Livro Estrangeiro publicado em França, (1997) por Manual dos Inquisidores; Prémio Tradução Portugal/Frankfurt, (1997) por Manual dos Inquisidores; France-Culture por A Morte de Carlos Gardel; Prémio de Literatura Europeia do Estado Austríaco, (2000); Prémio União Latina, (2003); Prémio Ovídio da União dos Escritores Romenos, (2003); Prémio Fernando Namora, (2004); Prémio Jerusalém, (2005); Prémio Camões, (2007); Prémio José Donoso, (2008), atribuído pela Universidade de Talca, Chile; Prémio Terenci Moix (2008); Prémio Juan Rulfo, (2008), França; Prémio Clube Literário do Porto, (2008); Grande Prémio de Excelência do Salão do Livro da Transilvânia (2014) e Prémio Vida e Obra de Autor Nacional - Prémio Autores de 2017.

    Obras publicadas em Portugal deste autor:

    Memória de Elefante (1979), Os Cus de Judas (1979), Conhecimento do Inferno (1980), Explicação dos Pássaros (1981), Fado Alexandrino (1983), Auto dos Danados (1985), As Naus (1988), Tratado das Paixões da Alma (1990), A Ordem Natural das Coisas (1992), A Morte de Carlos Gardel (1994), A História do Hidroavião (com ilustrações de Vitorino) (1994), Manual dos Inquisidores (1996), O Esplendor de Portugal (1997), Livro de Crónicas (1998), Exortação aos Crocodilos (1999), Não Entres Tão Depressa Nessa Noite Escura (2000), Que farei quando tudo arde? (2001), Segundo Livro de Crónicas (2002), Letrinhas das Cantigas (2002), Boa Tarde às Coisas Aqui em Baixo (2003), Eu Hei-de Amar Uma Pedra (2004), D'este viver aqui neste papel descripto: cartas da guerra ("Cartas da Guerra") (2005), Terceiro Livro de Crónicas (2006), Ontem Não Te Vi Em Babilónia (2006), O Meu Nome é Legião (2007), O Arquipélago da Insónia (2008), Que Cavalos São Aqueles Que Fazem Sombra no Mar? (2009), Sôbolos Rios Que Vão (2010), Quarto Livro de Crónicas (2011), Comissão das Lágrimas (2011), Não É Meia Noite Quem Quer (2012), Quinto Livro de Crónicas (2013), Caminho Como Uma Casa Em Chamas (2014), Da Natureza dos Deuses (2015), Para Aquela que Está Sentada no Escuro à Minha Espera (2016), Até Que as Pedras Se Tornem Mais Leves Que a Água (2017).

    No fundo documental da Biblioteca pode encontrar os seguintes títulos:

    A história do hidroavião - Cota 8POR ANT

    A morte de Carlos Gardel - Cota 83 ANT

    A ordem natural das coisas - Cota 83 ANT

    As naus - Cota 83 ANT

    Auto dos danados: romance - Cota 83 ANT

    Boa tarde às coisas aqui em baixo: romance - Cota 83 ANT

    Caminho como uma casa em chamas - Cota 83 ANT

    Comissão das lágrimas: romance - Cota 83 ANT

    Conhecimento do inferno: romance - Cota 83 ANT 

    Conversas com António Lobo Antunes - Cota 929 ANT

    Da natureza dos Deuses - Cota 83 ANT

    D'este viver aqui neste papel descripto: cartas da guerra - Cota 83 ANT

    Eu hei-de amar uma pedra - Cota 83 ANT

    Exortação aos crocodilos: romance - Cota 83 ANT

    Explicação dos pássaros - Cota 83 ANT

    Fado alexandrino: romance - Cota 83 ANT

    Levante-se o réu outra vez - Cota 83 MAR

    Livro de crónicas - Cota 83 ANT 

    Memória de elefante: romance - Cota 83 ANT

    Não é meia noite quem quer: romance - Cota 83 ANT

    Não entres tão depressa nessa noite escura: poema - Cota 83 ANT

    O arquipélago da insónia: romance - Cota 83 ANT  

    O esplendor de Portugal - Cota 83 ANT

    O manual dos inquisidores: romance - Cota 83 ANT

    O meu nome é Legião: romance - Cota 83 ANT

    Ontem não te vi em Babilónia: romance - Cota 83 ANT

    Os cus de Judas - Cota 83 ANT

    Para aquela que está sentada no escuro à minha espera: romance - Cota 83 ANT

    Quarto livro de crónicas: crónicas - Cota 83 ANT

    Que cavalos são aqueles que fazem sombra no mar?: romance - Cota 83 ANT

    Que farei quando tudo arde? - Cota 83 ANT

    Segundo livro de crónicas - Cota 83 ANT

    Sôbolos rios que vão: romance - Cota 83 ANT

    Terceiro livro de crónicas - Cota 83 ANT

    Tratado das paixões da alma: romance - Cota 83 ANT

     

    In https://www.wook.pt/autor/antonio-lobo-antunes/4007 e https://www.portaldaliteratura.com/autores.php?autor=302