Site Autárquico Loulé

1995

  • Quinta do Lago

    Agraciada com a Medalha de Defesa do Meio Ambiente Grau Ouro

     

    A PLANAL S.A., empresa responsável pela Urbanização da Quinta do Lago, foi estabelecida em 1972.

    Precursora na indústria do turismo de qualidade no Algarve, a Quinta do Lago tornou-se um símbolo de prestígio, onde o golfe ocupa um lugar cimeiro entre as diversas actividades de lazer de que dispõe.

    Adquirida em 1987 pela PLANAL S.A., empresa que a partir de 1989 tem sido dirigida por portugueses, nomeadamente Domingos da Silva e Humberto de Sousa. Esta empresa tem diversificado as suas actividades e expandido os seus serviços, um trabalho desenvolvido em colaboração com a Câmara Municipal de Loulé e com o Parque Natural da Ria Formosa.

    As potencialidades da Quinta do Lago foram desde logo reconhecidas pelos investidores estrangeiros que eleger este sitio para erguerem alguns dos empreendimentos turísticos de maior renome a Sul da Europa, nomeadamente o Hotel Quinta do Lago, a empresa Mcinerney, a Bovis Abroad, o Victory Village, o Vilar do Golfe Resort, entre outros.

  • Santa Casa da Misericórdia de Boliqueime

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Prata

     

    A Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Boliqueime é uma Instituição particular de solidariedade social, sem fins lucrativos, fundada em 25 de Maio de 1986.

    A 15 de Maio de 1988 inaugurou o Lar da Terceira Idade. Inicialmente com 14 quartos e capacidade para receber 30 utentes em Lar e 40 em Centro de Dia, beneficiou posteriormente de obras de ampliação que englobaram um maior número de quartos, todos com casa de banho privativa, e a capacidade de receber um maior número de utentes.

    Junto à parte ampliada foi construído um salão destinado a ginástica.

    Em 24 de Novembro de 1989 inaugurou a Creche e o Jardim de Infância para cinquenta crianças dos três aos seis anos.

    Comparticipada pela Segurança Social e apoiada pelo Município, a Misericórdia de Boliqueime é ajudada também por algumas Empresas e pelos familiares dos utentes.

    A Misericórdia possui também uma pequena propriedade rústica com menos de 1000 m2, doada por um utente.

    O transporte dos utentes para o Centro de Dia é garantido pela Instituição.

  • Carminda Cavaco (1938-)

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Prata

     

    Carminda Cavaco nasceu em Boliqueime a 12 de Novembro de 1938.

    Professora Catedrática aposentada do Departamento de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL), mantém-se como investigadora do Centro de Estudos Geográficos da mesma universidade (CEG), onde coordena a Área de Investigação de Geografia Humana. Foi também investigadora do Centro de Estudos de Economia Agrária, da F. C. Gulbenkian e  colaborou várias vezes em iniciativas do Ministério da Agricultura.

    Ao longo da sua vida profissional leccionou na FLUL (licenciaturas em Geografia e em Estudos Europeus, além de cursos pós-graduados), na Universidade Católica Portuguesa, como Professora Convidada, bem como pequenos cursos e conferências (livres e de pós-graduação) em universidades nacionais e estrangeiras. Orientou dezenas de teses de mestrado e de doutoramento, concluídas com êxito, e integrou numerosos júris de provas académicas, em Portugal e no estrangeiro.

    Participou em centenas de eventos de índole científica e técnica, na maioria como convidada, tendo sido também coordenadora de numerosos projectos de investigação e organizadora de várias conferências e seminários nacionais e internacionais. Tem integrado e coordenado diversas equipas encarregadas da elaboração de planos de ordenamento do território, avaliação de políticas públicas, estudos e projectos de desenvolvimento - incidentes em diferentes regiões do país (Planos Regionais, Programas Operacionais, PDM, Agendas 21 Local), além de planeamento no sector do Turismo.

    A sua bibliografia compreende cerca de centena e meia de títulos (entre livros, capítulos, relatórios e artigos), em publicações editadas no país e no estrangeiro que versam sobretudo temas que tanto se inserem no âmbito da geografia humana e regional como em domínios transdisciplinares: desenvolvimento regional e local, questões do mundo rural, água e ambiente, turismo, planeamento e ordenamento do território, população, a Europa, o Ensino, entre outros.

  • Alda Rilhó (1946-):

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Prata

    Alda Rilhó nasceu na Freguesia de S. Sebastião em 3 de Outubro de 1946.

    Frequentou a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

    Emigrou para os Estados Unidos da América, em 1965, onde exerceu uma intensa actividade na área da solidariedade social.

    Foi a partir de uma reunião em sua casa, em 1980, que nasceu a Beneficência Algarvia, Instituição da qual foi Presidente durante seis anos.

    Membro da Comissão do Dia de Portugal, em Elizabeth (New Jersey), foi a única mulher a presidir à mesma Comissão. Foi também Presidente das Senhoras Auxiliares do Clube Instrutivo e Social de Elizabeth e Secretária e tesoureira da Escola de Ensino da Língua Portuguesa “1.º Dezembro”.

    Em 1992 recebeu do Governo Português a Medalha de Mérito das Comunidades Portuguesas – Grau Ouro.

    Produziu programas televisivos em New York e Rhode Ysland, com a colaboração do reitor da Universidade de Medicina do Estado de New Jersey, Dr. Ruy Lourenço, do especialista espanhol Dr. Pedro Gascon, do pediatra português Dr. Ricardo Ferraz e do historiador e médico português Dr. Manuel Luciano da Silva.

    Membro activo da Beneficência Algarvia, Alda Rilhó foi também directora da “Portuguese Heritage Scholarship Foundation” de Maryland, uma organização que concede Bolsas de Estudo a Estudantes Universitários, Portugueses ou Luso-Americanos, com dificuldades financeiras.

  • António de Sousa Pontes (1908-1994)

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Prata

     

    António de Sousa Pontes nasceu em Quarteira em 8 de Novembro de 1908.

    Licenciou-se em Ciências Económicas e Financeiras pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade Técnica de Lisboa em 1931.

    Iniciou a sua vida profissional na Direcção Geral das Alfândegas tendo posteriormente exercido as funções de director de Serviços da Comissão Reguladora das Oleaginosas no âmbito do Ministério da Economia.

    Foi presidente da Junta de Turismo de Quarteira em 1958.

    Exerceu vários cargos de direcção na Casa do Algarve em Lisboa e participou activamente no processo de instalação do Conservatório de Faro.

    É autor de diversos estudos sobre a economia, a história e o desenvolvimento do Algarve. A maioria desses estudos está publicada em jornais regionais como “A Voz de Loulé”, “Correio do Sul”, “Notícias do Algarve”, entre outros. Tem também artigos em publicações nacionais como são “O Século”, “Jornal de Comércio” e o “Diário de Notícias”.

    Deixou também algumas monografias com destaque para as referentes à economia do Concelho de Loulé e à história do morgadio de Quarteira.

    Faleceu em 5 de Julho de 1994.

  • Luis Miguel Ramos Pereira (1970 -)

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Prata

     

    Luis Miguel Ramos Pereira nasceu em Loulé a 19 de Julho de 1970.

    Com 13 anos iniciou-se na modalidade de tiro, tendo sido Campeão do Mundo de Fosso Universal (Juniores) e Campeão Nacional de Fosso Universal (Juniores) em 1986.

    No ano seguinte voltou a ser Campeão do Mundo de Fosso Universal (Juniores).

    Foi galardoado com a Medalha Olímpica “Nobre Guedes”.

    Vencedor absoluto da Prova “Dia Olímpico de Fosso Olímpico”, foi também Jovem Promessa (Prémio CNID), Campeão da Europa de Fosso Universal (Juniores), Vencedor da Taça de Portugal de Tiro ao Voo, entre outras distinções.

    No ano de 1990 ganhou a Taça de Portugal de Fosso Universal e foi Atleta de Alta Competição em 90, 91 e 92.

    Participou no Projecto Olímpico “ATLANTA/96”.

  • Álvaro Clemente da Luz

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Prata

     

    Álvaro Clemente Luz nasceu em Loulé. Ainda muito jovem aprendeu o ofício de alfaiate, estabelecendo-se com uma pequena alfaiataria em Loulé.

    Rapidamente, expandiu o seu negócio com a abertura de mais duas alfaiatarias, uma em Vila Real de Santo António e outra em Faro. Por essa altura contava já com 40 empregados.

    Contudo, teve de emigrar para a Venezuela e aí recomeçou então o seu trabalho. Atingiu o êxito tornando-se um conceituado criador de moda masculina.

    A gente mais importante de toda a América Latina, como os Presidentes das Repúblicas do Porto Rico, Guatemala, Honduras, Equador e Venezuela, frequentam as lojas “Clement”.

    A sua moda chegou até aos Estados Unidos da América e à Europa. Na lista dos seus clientes constam nomes como o falecido Jonh Kennedy.

    Foi Presidente do Semanário Português “A Voz da Comunidade”, principal órgão de comunicação social da Comunidade Portuguesa da Venezuela.

    Foi fundador e Presidente da “Câmara de Comércio, Indústria e Turismo Luso-Venezuelana”. Ajudou também a fundar a Federação dos Empresários Portugueses na Venezuela e a Confederação dos Empresários das Comunidades Portuguesas.

    Presidiu à Comissão Internacional de “Apoio ao Emigrante Algarvio”, a convite da Casa do Algarve em Lisboa. Há alguns anos foi o principal dinamizador da estátua a Simão Bolívar, inaugurada na Avenida da Liberdade em Lisboa.

    Recebeu diversas condecorações tanto do Governo da Venezuela como do Governo Português, entre as quais a Comenda do Infante D. Henrique.

  • Juventude Sport Campinens

    Agraciada com a Medalha Municipal de Mérito Grau Prata

     

    O clube Juventude Sport Campinense foi fundado em Loulé no ano de 1947.

    Durante os primeiros 30 anos da sua existência a sua actividade resumiu-se à prática de encontros amigáveis e na participação de alguns torneios populares. Por essa altura, o futebol federado era praticado no Louletano onde as formações eram compostas, na sua maioria por atletas oriundos da Juventude Sport Campinense.

    O Campinense teve a sua sede, nos seus tempos áureos dos anos 50, na Barbearia Central cujo proprietário era Rogério Marcelino. A Barbearia do Rogério, como era conhecida, situava-se na Avenida Marçal Pacheco e era um dos maiores centros de convívio em Loulé, nos anos 50 e 60 para os amantes e praticantes do desporto.

    A 4 de Agosto de 1976, o Campinense realiza a sua 1.ª Assembleia Nacional para eleger os primeiros corpos sociais. Para a Assembleia Geral foi eleito presidente Germano José Raminhos Luisa; João António dos Santos, presidente da Direcção e José Francisco como presidente do Conselho de Contas.

    O Clube tem-se notabilizado sobretudo no Ciclismo e no Futebol. No ciclismo, o Campinense liderado pelo ciclista Luis Vargues, esteve ao nível dos melhores conjuntos nacionais, enquanto praticou esta disciplina desportiva.

    No futebol disputou o Nacional da 2.ª Divisão, Zona Sul, em 1984/85.

    Actualmente a sua sede situa-se na Rua Nuno A. Mascarenhas Lt. 16, em Loulé, contando com centenas de praticantes distribuídos por várias modalidades.

  • Frederico Valério (1913-1982)

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Ouro

     

    Reconhecido como um dos mais inspirados de todos os compositores da música Ligeira portuguesa, Frederico Valério é sobretudo recordado pelas suas muitas composições para Amália. Mas, apesar de “Ai Mouraria”, “Fado Malhoa” ou “Sabe-se Lá”, apesar da própria Amália sublinhar a importância que o compositor teve na sua carreira e de ter sido para ela que escreveu alguns dos seus momentos de maior inspiração, a sua carreira não se limitou a Amália.
    Nascido em Lisboa em 1913, um de quatro irmãos, Valério mostrou interesse pela música e pela composição aos treze anos. O seu pai marceneiro não se opôs ao desejo do jovem, mas impôs-lhe apenas que terminasse o curso comercial, só depois se matriculando no Conservatório.
    Estreou-se no teatro no início dos anos trinta, tornando-se rapidamente num dos primeiros compositores de canções e fados para revistas, género onde se estreou em 1934, na revista “A Pérola da China”. O seu primeiro grande êxito data logo de 1935, “As Carvoeiras”, criado por Maria de Neves em “Milho Rei”. Ensaiou igualmente a opereta (em “A Rosa Cantadeira”, por exemplo), e escreveu também para cinema (“Capas Negras”, “Madragoa”).
    Foi um dos poucos compositores portugueses a obter sucesso internacional; deveu-se-lhe todo um musical da Broadway (“On with the show”, estreado em 1954) e muitos dos seus temas correram mundo (cite-se apenas uma delas: “Partir, Partir”, divulgada internacionalmente como “Don´t Say Goodbye”). Durante os anos quarenta e cinquenta, viveu entre Portugal e os Estados Unidos, regressando definitivamente a Portugal em 1955, voltando costas ao êxito que obtivera no mais exigente dos mercados da música.
    Como sinal adicional da sua modéstia, Valério nunca procurou explorar áreas mais tradicionais da composição, preferindo desde sempre dedicar-se apenas à composição para teatro musicado e popular.

    Nos anos 60 o Maestro Frederico Valério musicou uma Marcha dedicada ao Carnaval de Loulé, com letra do poeta Jerónimo Bragança, cantada e gravada em disco por Maria de Lourdes Resende.
    Faleceu em Lisboa em 1982, três anos depois do seu casamento, em segundas núpcias, com a actriz Laura Alves.

  • Corpo de Bombeiros Municipais

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Ouro

     

    Corpo de Bombeiros, que tem já uma longa história de serviço e auxílio das populações do Concelho, foi fundado em Junho de 1927, após deliberação da Câmara Municipal. Actualmente, é este corpo de bombeiros uma unidade operacional, tecnicamente preparada, equipada e organizada, para o cabal exercício da missão que lhe é cometida nos termos da lei. Tem como Zona de Intervenção Prioritária o Concelho de Loulé, podendo contudo intervir em qualquer outra zona da Região ou do País, se para tal for solicitado. A sua zona prioritária tem portanto 742 km2 e cerca de 50 mil habitantes.

    Constituem as suas principais missões o combate a incêndios e o socorro às populações em caso de inundações, desabamentos, abalroamentos, bem como todos os acidentes, catástrofes ou calamidades; a colaboração em actividades de protecção civil, no âmbito das funções específicas que lhes forem cometidas; a participação em acções de prevenção e segurança contra risco de incêndio e outros sinistros, incluindo a emissão de pareceres técnicos, nos termos da lei; o socorro a náufragos.

    Situado até 2004 junto ao Estádio de Futebol, o Quartel dos Bombeiros deslocou-se nesse ano para uma nova sede situada na zona Sul da cidade, no sítio da Costa, nomeadamente na Rua Humberto Pacheco. Em termos de implantação, esta infra-estrutura confronta a Norte com o Cemitério de Loulé, a Sul e Nascente com arruamentos e a Poente com o Heliporto. A área de construção abrange cerca de 2 744 m2.

    O Corpo de Bombeiros Municipais depende administrativamente da Câmara Municipal, mas está sob a tutela do Ministério da Administração Interna, através do Serviço Nacional de Bombeiros.

    A sua formação é garantida basicamente no quartel, e a especialização é realizada na Escola Nacional de Bombeiros.

  • Joaquim Antero Romero Magalhães (1942-)

    Agraciado com a Medalha Municipal de Mérito Grau Ouro

     

    Joaquim Romero Magalhães nasceu em Loulé no dia 18 de Abril de 1942.

    Fez os seus estudos primários e secundários em Faro e posteriormente viria a formar-se em História na Faculdade de Letras de Coimbra com a tese “Algarve Económico no Século XVI”.

    No Porto fez a profissionalização para o Ensino Secundário. Foi depois convidado para Professor assistente das Faculdades de Economia e de Letras.

    Deputado à Assembleia Constituinte pelo Círculo de Coimbra em 1975-76, foi Secretário de Estado da Orientação Pedagógica do primeiro e segundo Governos Constitucionais.

    Em 1985 fez o doutoramento em História Económica com uma tese sobre o “Algarve Económico – 1600-1773”.

    Foi convidado para exercer funções de docente na Faculdade de Economia do Porto e no Departamento de História e de Sociologia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

    É autor de várias obras com destaque para: “Para o estudo do Algarve económico durante o século XVI”, “E assim se abriu o judaísmo no Algarve”, “O poder Concelhio, das origens às cortes constituintes”, “O Algarve económico 1600-1773”, “No alvorecer da modernidade”, tomo III da “História de Portugal” dirigida por José Mattoso.

    Joaquim Romero Magalhães foi ainda Comissário-Geral da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses e Director da revista “Oceanos” (1999-2002).

    Recebeu a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (2002).

  • Casa da Primeira Infância

    Agraciada com a Medalha Municipal de Mérito Grau Ouro

     

     

    A Casa da Primeira Infância é uma instituição particular de solidariedade social.

    Primeira Associação criada em Loulé no pós-guerra recebeu o nome que hoje tem no dia 4 de Junho de 1945. Em 10 de Junho de 1945 foi inaugurada e “aloja-se” num grande edifício no Largo da Matriz, pela renda mensal de 300$00.

    Foram fundadores desta instituição: Presidente: D.ª Maria José Soares Cabeçadas Ataíde Ferreira; João Farrajota Alves; D.ª Ivone Maria Pacheco Magalhães Pinheiro e D.ª Solange Vila Lobos Carvalho Santos.

    A Casa da Primeira Infância ainda esteve instalada junto ao Castelo e só muito posteriormente viria ter a sua sede própria no Largo Capitão Salgueiro Maia.

    Fundada para dar resposta às dificuldades das crianças mais desfavorecidas, ao longo da sua existência a Casa da Primeira Infância tem proporcionado às mesmas alimento, carinho e educação, muitas vezes de forma gratuita dadas as carências dos seus familiares.

    Em 2008, a Instituição abarcava 7 valências, nomeadamente Creche, Jardim de Infância, ATL – Loulé, ATL “Inca”, Centro de Acolhimento Temporário “Os Miúdos”, Centro Juvenil “Ajudar a Sorrir” e Projecto Ludo-Rodas.

    Em 2010, a Câmara Municipal de Loulé homenageou a fundadora da Casa da primeira infância atribuindo o seu nome a uma artéria junto à Instituição.

  • José Mendes Cabeçadas Júnior (1883-1965)

    Agraciado com a Medalha de Honra

     

    Nasceu em Loulé em 19 de Agosto de 1883. 
    Concluiu o curso da Escola Politécnica, ingressando na Escola Naval em 1902 e seguindo carreira militar, onde atingiu o posto de vice-almirante.

    Republicano convicto, participou activamente nas operações militares que conduziram à implantação da República, em 5 de Outubro de 1910. Militou depois nos partidos Unionista, Liberal, Nacionalista e, por fim, na União Liberal Republicana (início de 1926). 
    Em Julho de 1925, comandou uma tentativa de sublevação contra o Governo, a partir do navio Vasco da Gama.

    Protagonizou depois o golpe militar de 28 de Maio de 1926, que viria derrubar a República, desta vez bem sucedido. Assumiu então o comando da revolta em Lisboa, enquanto o general Gomes da Costa, vindo de Braga, avançava sobre a capital. Dois dias depois Mendes Cabeçadas foi nomeado Presidente do Ministério, ministro da Marinha e, interinamente, das restantes pastas. Mas em 18 de Junho de 1926 foi afastado do poder por um novo golpe militar, encabeçado por Gomes da Costa. Voltou à Armada e mais tarde envolveu-se em novas tentativas de revolta (entre 1931 e 1947), todas sem sucesso, contra a Ditadura e o Estado Novo, acabando por ser preso, julgado e reformado compulsivamente.

    Morreu em Lisboa em 11 de Junho de 1965.